quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Quem somos?


Cada um enxerga em seu coração
As dores e os sabores
De uma vida que ainda se vive
Mas não sabem quem é

Surpreendidos, dia a dia
Com nossas próprias atitudes
Não sabemos muitas vezes
Quem de fato somos

Mas justamente isso
Nos dá a entender que o outro
Também pode não saber quem se é
Mas como nós, age como se soubesse

Se o outro é como nós
Como podemos julgar o outro diferente,
Se tomamos como padrão quem somos?
E quem somos?

O perdão não paga o mal passado
Mas apaga o dano de forma que
Ao restaurar os relacionamentos
Diz que se vale mais o relacionamento que uma justiça cega

O perdão não é uma forma de pagamento
Porém, é a não necessidade de pagamento.
Pois o dano emocional resolvido
Liberta para o crescimento mutuo.

Apenas um poderia condenar todos
Esse um perdoou, pagando o preço no nosso lugar
Nós que somos injustos e culpados de tantas falhas

Como podemos não perdoar o outro, tão ruim quanto nós mesmos somos?


Felipe Wagner

Um comentário:

  1. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho.Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir